A Década perdida da Microsoft: Steve Ballmer e o declínio mais espetacular da América

A Década perdida da Microsoft: Steve Ballmer e o declínio mais espetacular da América

Apesar de conter várias passagens sem muito sentido e/ou evidência pública (embora eles digam que tenham obtido informações de antigos e até atuais executivos da Microsoft), é um bom artigo para entender como o que um dia foi a maior empresa de tecnologia do mundo foi ao declínio, em função de uma série de fiascos.

Um trecho que me chamou a atenção, no entanto, refere-se ao dia em que o Mac OS X 10.4 foi revelado pela primeira vez, em meados de 2004. A reação dentro da Microsoft teria sido assustadora, visto que muito (senão quase tudo) do que era planejado para o Vista apareceu funcionando perfeitamente em uma futura versão do sistema operacional de computadores da Apple. Anos mais tarde, Steve Jobs e seus executivos humilhariam seus concorrentes por isso, alegando que, na realidade, as novas funções do Mac teriam sido copiadas dentro do novo Windows. Por esse ponto de vista, é difícil definir quem realmente as criou primeiro.

Fora isso, é difícil definir qual o destino da Microsoft e seus produtos lendo texto como esse. Dez anos depois de começar a perder sua hegemonia, ela até apresenta muito potencial no que faz. Xbox, Windows 8 Windows Phone, Windows Azure e a maior parte das suas soluções corporativas são excelentes produtos e muito originais em suas respectivas formas. Entretanto, a maioria deles tem futuro ameaçado graças e essa queda da reputação da empresa, já afetada por concorrentes que estão mandando bem com novas soluções de produtividade (Google Apps) e bastante ignorada por consumidores de produtos domésticos – especialmente tablets e smartphones, mercados onde o iOS e o Android não param de crescer e são fantásticos.

É difícil imaginar como a Microsoft contornará esse cenário. Mas o presente já mostra que voltar a desenvolver bons produtos não será o bastante para isso.

Anúncios

Apesar de conter várias passagens sem muito sentido e/ou evidência pública (embora eles digam que tenham obtido informações de antigos e até atuais executivos da Microsoft), é um bom artigo para entender como o que um dia foi a maior empresa de tecnologia do mundo foi ao declínio, em função de uma série de fiascos.

Um trecho que me chamou a atenção, no entanto, refere-se ao dia em que o Mac OS X 10.4 foi revelado pela primeira vez, em meados de 2004. A reação dentro da Microsoft teria sido assustadora, visto que muito (senão quase tudo) do que era planejado para o Vista apareceu funcionando perfeitamente em uma futura versão do sistema operacional de computadores da Apple. Anos mais tarde, Steve Jobs e seus executivos humilhariam seus concorrentes por isso, alegando que, na realidade, as novas funções do Mac teriam sido copiadas dentro do novo Windows. Por esse ponto de vista, é difícil definir quem realmente as criou primeiro.

Fora isso, é difícil definir qual o destino da Microsoft e seus produtos lendo texto como esse. Dez anos depois de começar a perder sua hegemonia, ela até apresenta muito potencial no que faz. Xbox, Windows 8 Windows Phone, Windows Azure e a maior parte das suas soluções corporativas são excelentes produtos e muito originais em suas respectivas formas. Entretanto, a maioria deles tem futuro ameaçado graças e essa queda da reputação da empresa, já afetada por concorrentes que estão mandando bem com novas soluções de produtividade (Google Apps) e bastante ignorada por consumidores de produtos domésticos – especialmente tablets e smartphones, mercados onde o iOS e o Android não param de crescer e são fantásticos.

É difícil imaginar como a Microsoft contornará esse cenário. Mas o presente já mostra que voltar a desenvolver bons produtos não será o bastante para isso.

Autor: Silvio Cabral

Escritor de tecnologia. Bancário aloprado.